Contador de visitas

contador grátis

sexta-feira, maio 22, 2009

A FÉ, O PREPARO DO MÉDIUM E A GIRA SAUDÁVEL, ELEMENTOS IMPRESCINDÍVEIS PARA OBTER-SE RESULTADO EM UM TRABALHO

Tenho deparado em minha vida, com pessoas que dizem que hoje os trabalhos de Umbanda não dão mais o mesmo resultado que davam outrora. Que até mesmo as entidades parecem estar com menos força, pois que, antigamente, um caboclo, exú, preto velho ou qualquer outra entidade, riscava um ponto, cantava uma cantiga e praticamente na mesma hora tínhamos o resultado desejado. Mas, hoje em dia, lutamos meses para conseguirmos alcançar um resultado.

Mas, na verdade, não foram as entidades que perderam sua força. É a fé que parece não mais existir. Juntamos a isso a forma com que muitos médiuns vão para os Terreiros exercerem suas funções e veremos o que na realidade mudou dentro desse universo.

Em tempos outrora, as pessoas tinham a Umbanda como religião apenas e, assim sendo possuíam uma fé inenarrável em tudo que ali se realizava. E assim, consequentemente obtinham seus resultados.

Hoje em dia, as pessoas vão aos Templos em busca de soluções mágicas e, sabemos que isso não existe. Alguns, quando dentro das casas de caridade, estão com seus pensamentos voltados a qualquer coisa que seja, menos em contrição completa com seus ideais. Precisamos estar em sintonia com os espíritos ali manifestados para que possamos alcançar a graça que desejamos, mas, também estarmos cientes de que; antes de nos ajudarem em algo, as entidades levam em conta nosso merecimento.

Os médiuns por sua vez, em muitos casos, não vão para a corrente vibratória, como os mais antigos. Não se abstêm de carne vermelha na véspera dos trabalhos, não se resguardam de sexo e álcool. Os antigos tinham todo um ritual para poderem participar de uma sessão.

É certo que alguns médiuns ainda fazem valer a maneira dos antigos, mas são poucos, pois em sua grande maioria, estão mais preocupados com futilidades do que com seu mentor.

Preocupam-se com a roupa cara, e esquecem-se de que espírito não valoriza isso. Preocupam-se com a aparência como se fosse o ato mais importante do momento. Outros bebem, comem carne vermelha na véspera e no dia dos trabalhos, praticam sexo antes dos trabalhos, e isso atrapalha e muito a manifestação de seus guias.

Nossos guias são espíritos e para eles nada dessas coisas terrenas têm valor. Buscam na verdade a pureza de nossos corações e de nossas almas.

Uma corrente saudável, não possui também, um exagero de bebida alcoólica como vemos em alguns casos. Antigamente, mesmo os exús, bebiam de forma moderada seu marafo. Bebiam em coetés, e no máximo umas duas doses, em alguns raros momentos, bebiam três doses de pinga. Hoje em dia bebem de forma abusiva e isso faz com que, espíritos inferiores se aproximem daquele local e muitas coisas ruins acontecem.

Dentro de um trabalho espiritual temos que levar em conta que estamos lidando com seres que já viveram como nós, e, que hoje são partes de uma força cósmica que rege a própria natureza. Estão eles presentes seja no sol ou na chuva, no dia ou na noite, e assim sendo veem tudo que fazemos e até mesmo possuem o dom de verem nossos pensamentos.

Se fizermos nosso ritual preparatório: não comendo carne vermelha na véspera dos trabalhos, não ingerindo álcool nem praticando sexo no dia anterior e no dia de nossa corrente, se tomarmos um banho de ervas frias e cheirosas antes de nossos trabalhos, observaremos que muitas coisas melhorarão para melhor, até mesmo na comunicação de nossas entidades conosco veremos essa mudança.

Sérgio Silveira, Tatetú N’Inkisi Lambanranguange: Odé Mutaloiá.

odemutaloia@gmail.com

odemutaloia@pop.com.br