Contador de visitas

contador grátis

segunda-feira, junho 01, 2009

UMBANDISTAS E CANDOMBLECISTAS PODEM SIM, VIVEREM EM HARMONIA.


Comumente vemos Candomblecistas falando contra a Umbanda, mas também vemos Umbandistas falarem mal do candomblé. Alegam que Candomblé tem magia negra, tem coisas erradas, que seus zeladores só pensam em dinheiro e por aí vai...!

Em primeiro lugar desejo lembrar a essas pessoas que não podemos falar contra ou a favor daquilo que não conhecemos e se conhecemos e por ventura formos vítimas de pessoas ruins, não temos o direito de julgar toda uma classe.

É de conhecimento de todos que, em todos os lugares existem pessoas boas e más, o que temos que fazer é separar o joio do trigo. No caso das casas de Umbanda e Candomblé, basta procurarmos informações nas federações com relação à casa ou ao sacerdote o qual pretendemos confiar a solução de nossos problemas. O que não podemos fazer é nos mantermos no anonimato, nos preocupando em caluniar toda uma classe por conta de uma ou duas pessoas.

Candomblé queridos irmãos umbandistas e coisa séria, tão séria que existe todo um preceito até mesmo com as coisas que comemos para que assim não cometamos o erro de ingerirmos alimentos que sejam nocivos a nossa espiritualidade, e, esses alimentos são nocivos por se tratarem de tabus em nosso meio, seja porque são alimentos de egum, até mesmo por nosso Orixá simplesmente ser avesso a tal alimento.

Nos abstemos de bebida, sexo e as drogas são completamente proibidos para nós. Se por ventura foste enganado, teve sua índole agredida por um sacerdote de candomblé, não seja omisso, denuncie-o a federação que ela saberá o que fazer. A omissão tem contribuído em muito para que falsos sacerdotes fiquem por aí destruindo vidas humanas.

Nossos Orixás, amados umbandistas, nada de mal possuem, e se oferecemos holocaustos a eles, são por esses fazerem parte de seus rituais, e assim sendo são sagrados, e o sagrado não se revela.

Uma outra coisa errada é Umbanda cantar cantigas de Candomblé e até mesmo alguns umbandistas quererem de todas as formas até mesmo jogar búzios. O oráculo de Ifá, os búzios, é reservado para os iniciados nos preceitos do Sagrado do Candomblé e assim sendo, não é qualquer um que pode sair por aí jogando búzios. E entidades também não precisam recorrer a essa prática, afinal se os utilizamos para nos comunicar com os espíritos e como são eles, os espíritos, por que se utilizam dessa forma de consulta? Eis uma resposta que não existe!

O que temos que fazer mesmo é convivermos em harmonia e respeitando cada um, o espaço do outro, buscarmos formas de extinguirmos males como a fome, por exemplo, que vem destruindo boa parte de nossos irmãos menos favorecidos.

Tantas coisas existem para que possamos atuar, então, por que perdermos tempo precioso nos ocupando com algo que não seja de nossa competência e mesmo, sairmos por aí nos difamando uns aos outros?

Tenhamos a consciência de a omissão é que faz com que a coisa errada se perpetue. Façamos nossa parte: vivamos em harmonia e assim estaremos agradando a nossos Orixás e aos nossos Guias Protetores.

Sérgio Silveira, tatetú N’inkisi, Odé Mutaloiá.

odemutaloia@hotmail.com



O USO DE BEBIDAS NÃO FAZ PARTE DO AXÉ ORIXÁ

Como Presidente do Conselho Sacerdotal da UNESCAP, tenho recebido denúncias de que “zeladores” de santo estão utilizando bebidas durante os atos ritualísticos do Candomblé. Ao serem questionados pelas pessoas, eles alegam que a bebida faz parte dos fundamentos.

Oras! Se a bebida fosse parte de ritual, por que iríamos nos mantermos afastados de tudo quando praticamos nossa religião? Dentro de meus 23 anos de iniciado, andei por muitas casas, vi muita coisa com os mais antigos, e posso afirmar que NUNCA os vi se utilizando de bebidas alcoólicas dentro do Axé Orixá.

A bebida toma nossos sentidos, deturpa nossa visão e nossa mente é uma droga, então se assim o é; por que nos utilizaríamos dela enquanto mexemos com o santo?

Ao contrário: a lei pregada pelos antigos sacerdotes e sacerdotisas nos ensina que, ao lidarmos com nossos antepassados, temos que nos abstermos três dias antes de sexo, álcool, e tudo o mais que for contra seus princípios. Temos que manter nosso corpo limpo e nossa mente também, para que nosso Orixá possa nos utilizar para que assim sendo consiga emanar boa energia para os consulentes e filhos de santo. JAMAIS, podemos manter contato com os atos sagrados e com tudo que se utiliza dentro do Candomblé, com nosso “corpo sujo” como se diz.

E a palavra faz jus a seu significado: ao nos utilizarmos de bebidas e sexo, estamos sujando nosso corpo, pois que antigamente para se ter uma idéia, se bebêssemos um copo de cerveja, por exemplo, nosso Orixá não se manifestava jamais em nós.

O uso da bebida então, é muito pior dentro dos rituais, pois corremos o risco de que egum receba a obrigação no lugar do santo, e aí as consequencias serão terríveis na vida da pessoa que passou pela obrigação.

Nada de errado podemos fazer quando lidamos com Orixá, uma vez que, a vida das pessoas está diretamente sob nossa responsabilidade. Por isso que volta e meia, encontramos pessoas que se confessam avessas a tudo que se diz Candomblé, por CULPA DESSES FALSOS ZELADORES QUE NÃO ESTÃO NEM AÍ COM A VIDA DE TERCEIROS, POIS QUE FAZEM DO SANTO APENAS COMERCIO.

Repito que não sou contra o pagamento de nosso chão ou axé, mas, sou contra a exploração e as coisas erradas que acontecem dentro das casas de Candomblé.

Se você que ler essa mensagem foi vítima de uma pessoa que fez suas obrigações com álcool na cabeça, que desrespeitou seu corpo, de sua esposa, filha ou filho, ou mesmo de qualquer pessoa de sua família ou amigo, não se acanhe; PROCURE UMA FEDERAÇÃO, FAÇA UMA DENUNCIA E EXIJA QUE A FEDERAÇÃO PUNA O RESPONSÁVEL. SE NÃO SOUBER A QUE FEDERAÇÃO ELE É FILIADO, VÁ A UMA DELEGACIA DE POLÍCIA, POIS SE CASO ELE NÃO FOR FILIADO, SUA CASA É CLANDESTINA E ASSIM SENDO ELE ESTÁ ATUANDO SEM LICENÇA, FERINDO O CÓDIGO CIVIL E CRIMINAL DE NOSSO PAÍS.

Lembre-se; candomblé é uma religião séria e nela não se admite nada que contrarie a lei de nossos Orixás.

Sérgio Silveira, Tatetú N’Inkisi Lambanranguange: Odé Mutaloiá.

odemutaloia@hotmail.com