Contador de visitas

contador grátis

segunda-feira, março 11, 2013

O CASAMENTO GAY E A ADOÇÃO DE FILHOS



Verdadeiros embates acontecem no mundo atual, com relação à união de pessoas do mesmo sexo, e da adoção por parte dos mesmos de crianças. Uns se dizem a favor, outros se anunciam contra aos quatro ventos, e ainda temos PASTORES que publicam em todos os meios de comunicação que Gay não merece nada precisam sim, de tratamento e da palavra do Senhor, e que, ser negro é ter nascido com azar.

Bom, dentro de minha religião, temos sim, homossexuais tanto homem como mulheres e isso serve para que caiam sobre nós de pauladas, nos acusando de várias barbaridades. Ocorre que somos de uma religião que não tenta mudar quem quer que seja; ao contrário, aceitamos as pessoas como elas são e as respeitamos acima de tudo.

Sofremos na carne, a discriminação e não podemos nos calar perante tal abuso contra os gays, sejam eles, homens ou mulheres, pois cremos que, cada um tem o direito de viver sua vida da maneira que mais lhe convém.

Muito me espanta que dentro de uma nação como a nossa, pessoas com o Sr. Marco Feliciano, um verdadeiro MONSTRO, assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, pois prega aos quatro cantos do mundo, ser homofóbico e racista, para isso basta entrarem no link a seguir: http://migre.me/dAEqk e verem com seus próprios olhos as barbaridades deste MONSTRO.

Mas, voltando à minha religião, somos sim, a favor da união entre pessoas do mesmo sexo, eu inclusive já celebrei casamentos desta natureza, da mesma forma que pastores e padres. Dentro do Candomblé pensamos que cada ser é responsável por sim, e temos a obrigação de aceitar as pessoas como elas são desde que, não se utilizem de drogas e nem pratiquem roubos, estupros e outros crimes, pois para o Orixá isso não condiz com os Mandamentos de Olorúm, deixados por Iká na Terra para os homens.

Preocupa-me e muito, tanto como sacerdote, vice-presidente de uma Federação e Presidente de seu Conselho Religioso, mas também, como homem, como ser humano, o rumo que estão tomando as coisas em nosso Brasil. Não podemos mais nos calar, temos que exigir que a OAB o Ministério Público, entrem em ação e retirem um ser desses de tal cargo e, até mesmo da vida pública.

Temos o direito de expor nosso pensamento, mas não de atacar as pessoas e praticar o pré-conceito. Vivemos em um Estado Laico, onde todos são iguais perante a lei. Mas na prática o que vemos, é a frieza e a crueldade vencerem tudo e todos.

Temos Orixás que nos protegem, mas temos leis também e temos que usá-las sim. Não concebo nem compactuo com a ideia de que, uma pessoa por ser negra ou gay, não seja vista como filho de Deus nem mesmo como cidadão comum.

Faço aqui uso das palavras de um grande amigo, o Dr., Mário Márcio, Fisioterapeuta, e atuante nas causas sociais: “alguém pode apontar um filho de gays assassino, ladrão, traficante ou algo do gênero”?  Não! As estatísticas mostram que são filhos de éteros sim.

Lido com gays há muitos anos, e tudo que vi, foi educarem seus filhos adotivos com rigor, seriedade, honestidade e hoje são médicos, advogados, e outras profissões, mas, todos trabalham e vivem do suor de seu rosto.

Isso porque os gays sabem o que é discriminação, perseguição e não querem de forma alguma que seus filhos sofram no mundo. Não conheci também, pais mais amorosos que eles.

Existem gays errados, que roubam e etc. e tal? Sim. Mas não podemos condenar uma classe por causa de meia dúzia, pois existem muito mais éteros que roubam, matam estupram, do que na comunidade gay.

Ser gay, lésbica, é uma opção de vida sim, e temos que respeitar, pois são eles, filhos do mesmo Pai que todos nós. Conheço sim, 06 gays que são errados, mas em contrapartida, conheço 200 que trabalham, lutam no dia a dia para se sustentarem. Sofrem até mesmo dentro de suas famílias e ainda por cima são chamados disso ou daquilo?

Bem, se querem tanto combater os gays, porque então, não dão o mesmo combate a padres gays, artistas famosos, membros de congregações evangélicas e outros? Por que não atacam com força total a pedofilia que impera dentro do catolicismo e toda a sociedade vestida de hipocrisia se cala perante a mesma?

Então, que saibam todos que: como sacerdote, apoio sim aos gays, lésbicas e afins. Como homem e pai de família também, pois se um de meus filhos quisesse ser gay, eu o colocaria dentro de minha casa, em baixo de minhas asas e ai daquele que o ofendesse, pois amo meus filhos acima de tudo.

Conheço famílias abastadas que têm filhos homossexuais, bissexuais e que lhes dão total apoio. Como eu, um simples sacerdote, poderia virar meu rosto e desamparar as pessoas apenas por não terem a mesma orientação sexual que eu? HIPOCRISIA é a palavra para isso.

Temos também que defender seus direitos à adoção, pois, não significa que pelo fato de uma criança ser criada em um lar onde residem duas pessoas do mesmo sexo, que ela também terá esta orientação, afinal, todos os que conhecemos, são oriundos de éteros, de casamentos chamados de normais, se é que isso existe, pois até onde sei, o casamento que se conhece, foi instituído pela igreja católica para permitir o sexo entre as pessoas e mais tarde com a introdução do código civil, o casamento nada mais é, que um contrato de sociedade entre duas pessoas, no caso, homem e mulher.

Palavras do Senhor? Como diria uma amiga advogada: “palavras do senhor Constantino” e realmente pois a Bíblia que todos os cristão usam, são na verdade, edições republicadas daquilo que Constantino achava que devia ser bom para cobrir seus erros, e quando Roma viu que era bom para ela também, deixou como estava e até hoje todos adoram-na. Mas, por que os escritos verdadeiros que foram e são encontrados, são consumidos por Roma?

Bem, se nada têm a esconder e a temer, deixem que esses pergaminhos sejam analisados por cientistas atuais e assim, que façam a verdadeira tradução. E, aproveitando o ensejo: onde estão os escritos dos cristão agnósticos? A igreja consumiu, pois ali estava tudo ao contrário do que eles manipularam e manipulam até hoje.

E agora vêm falar contra gays, umbandistas, candomblecistas e outros? Que vão primeiro se olharem no espelho e prestarem contas das vidas que tiraram durante séculos em Nome de Jesus, como se Ele quisesse isso.

Pois, se amo e/ou amamos nossos Orixás, temos sim, que amar as pessoas independente de sua opção sexual e dar-lhes total apoio em nossas casas, pois para aqueles que realmente conhecem o Candomblé sabem o que significa ser diferente em nosso mundo.

Tatetú N’Inkisi: Odé Mutaloiá.